quarta-feira, 20 de maio de 2015

A invalidade dos estereótipos





Importar-se com o que você veste ou passar um batom não te faz necessariamente fútil nem patricinha. Você pode ser uma garota alternativa vaidosa. Uma nerd vaidosa. A garota casta estilosa. Não existem estereótipos. Para falar a verdade, estou cansada de estereótipos. Me chamam de patricinha, mas meu guarda-roupa tem mais preto que rosa (verdade!). Tem muita menina vaidosa andando de ônibus, e outras desleixadas só de motorista. Quem  é mais patricinha?

Recentemente li um texto da blogueira Cacau Pinho e ela citava a crítica de uma aspirante a médica sobre a futilidade da moda. Mas para mim quem critica é quem está sendo superficial. Ao se aprofundar nos estudos da moda e na própria história da mesma percebemos o quanto ela é significativa na representação de culturas e comunica as mudanças sociais e políticas. Além disso, na década atual, está cada vez menos ligada apenas com diferenciação de classes, mas expressão de personalidade tanto do individual quanto do coletivo.

Da década de 90 para trás, talvez os estereótipos fossem uma definição válida. Pelo menos eram nos filmes que assisti na minha infância. Mas a globalização chegou aos estilos de vida e uma pessoa não precisa pertencer a um grupo mais somente. E isso é incrível, afinal conhecer diferentes culturas e jeitos de ver o mundo está cada vez mais acessível e isso só tem a nos enriquecer como pessoas e quem sabe diminuir o preconceito em relação a alguns grupos.

E o mais importante é treinar o olhar para uma pessoa cujo estilo é diferente do seu e para de julgar esse diferente como "feio". Isso é tão superficial. Deixar de rotular as pessoas ou a si mesma. Por que o jeito de vestir pode remeter a um grupo, mas o comportamento estar mais relacionado com outro, assim como o gosto musical e até mesmo a profissão pode ter nada a ver com nada disso.

Essa é a complexa composição da personalidade de hoje. Somos um pouco de tudo em cada instância e momento carregando um pouco de cada grupo que tivemos contato. A diversidade cultural que antes era definida pela variedade de grupos diferentes hoje está internalizada em cada ser individual que carrega características e preferências de vários grupos - até paradoxos - mas de uma maneira única.

__________________________________________________________________________


E você? A quais "grupos" você pertence?
xoxo,


 Acompanhe o Blog da Dressa nas redes sociais Facebook - Instagram - Twitter - Youtube 



16 comentários:

  1. Adorei seu texto e concordo plenamente. Odeio rótulos e acho que cada pessoa carrega uma marca pessoal única.
    Um beijo

    Dicas para Todas

    ResponderExcluir
  2. oi Dressa s2
    amei o textinho , mt bacana s2 beijos
    Sorria Princesinha

    ResponderExcluir
  3. Amei o texto e concordo com vc. Ninguém precisa de rótulos e a moda deve ser parte da personalidade de um indivíduo e não defini-la.

    Beijos.

    Anete Oliveira
    Blog Coisitas e Coisinhas
    Fan Page Coisitas e Coisinhas

    ResponderExcluir
  4. Reflexivo e argumentativo. Gostei do post :*

    http://www.cherryacessorioseafins.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Muito bom o texto. Quando adolescente já fui taxada de "patricinha" e nunca nem fui fã de rosa haha. As pessoas às vezes se preocupam demais em julgar alguém antes de conhecer, até mesmo pra se sentir melhor, é triste.

    beijo
    www.belatriz.info

    ResponderExcluir
  6. Great post! Well said! I love your blog! Would you like us to follow eachother on GFC and keep in touch?
    xo from Italy,
    Sonia Verardo
    http://www.trenchcollection.com/

    ResponderExcluir
  7. Adoreei... reflexivo!
    bjosmil:*
    http://www.blogandocomadeni.com.br/

    ResponderExcluir
  8. bacana o texto, esteriótipo é uma coisa mt complicada msm que facilita pre julgamentos mt preciptados

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  9. ótimas colocações, Dressa! Eu sempre falo isso, que estou cansada de esteriótipos, principalmente os relacionados ao mundo da moda. Lembro de uma vez ouvir que toda blogueira de moda é fútil e não sabe o que é trabalhar/estudar.... Sem falar nos tantos outros que criam, a sociedade em que vivemos é uma grande bosta.
    Amei sua reflexão, pretendo ver mais por aqui. Beijos

    ResponderExcluir
  10. Adorei o texto. O seu blog é lindo, o que acha de um follow for follow?
    xoxo
    BLOG // FB PAGE // BLOG'S GIVEAWAY

    ResponderExcluir
  11. Adorei o texto, super show de bola !!

    Beijos
    intoxicadosporlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. adoreiiii, principalmente porque já apresentei uma trabalho onde mostra a relação entre a história e a moda, o que um influencia no outro.
    Eu me visto mais alternativa, eu sou do grupo vira folha haha, um dia sai toda do metal, outro good vibes, as swag auhsuahs e assim vai.

    ResponderExcluir
  13. Odeio rótulos, nossa como isso massacra as pessoas.

    http://alinesecretplace.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Amei ler.
    Acho que futilidade muito além de gostar de se maquiar e se arrumar.
    Sério! Quem não respira moda, gente? Acho difícil existir pessoa simplesmente abre o armário e pega a primeira peça e nem vê se o par de meia está certo e sai assim.

    Blog do Sofá

    ResponderExcluir
  15. Eu amei o texto, acho que deveriam existir mais pensamentos como o seu no mundo <333 somos tão complexos, essa ideia de que somos rotuláveis, nos coloca em uma caixinha que nossa personalidade não cabe :) beijosss

    www.amantederimel.com.br

    ResponderExcluir
  16. Muito bom o texto, realmente não há sentido em estereotipar uma pessoa simplesmente pelo modo como ela se veste.
    Passei a vida ouvindo as pessoas me chamarem de patricinha, fresca e mimada só porque eu gosto de me arrumar.
    Há muito mais profundidade numa pessoa do que o modo como ela escolhe se vestir!
    Beijo

    ResponderExcluir

Meninas, o que acharam?!
Thank you!
xoxo
Dressa